Nueva Etapa de la revista La Pecera

que inició su recorrido durante la crisis argentina del 2001 hasta el año 2009, en que dejó de publicarse en papel , hasta 2016,  en que reaparece con el Nro 15.

 "Ningún pez es demasiado raro para tu pecera" es el lema de la revista, inspirado en la conocida novela de D. H. Lawrence, señalando la heterogeneidad de contenidos y lenguajes. Y también, una apuesta por autores, poéticas y pensamientos a contrapelo.

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram Social Icon

La PECERA.ne

ISSN 1666-8782

Fundada en Mar del Plata, otoño de 2001 © Editorial Martín y O. Picardo

DIRECTORES:

Osvaldo Picardo  y  Héctor Freire.

© 2016 Big Fish para La Pecera. Creado con Wix.com 

lapeceralibros@gmail.com

DIRECCIÓN POSTAL: Av. Pueyrredón 2387  5º Piso.  (1119) Capital Federal 

TODAS AS ILHAS SÃO CRETA 
por Tadeu Sarmento

Na Literatura Brasileira, o rótulo “regionalismo” empunha cartazes que contam a história de uma herança de cerca de 150 anos. Segundo a cartilha dos bancos escolares pelos quais todos passamos, surgiu em meados do século XIX, nas obras de José de Alencar, Bernardo Guimarães, Franklin Távora e tantos outros, e há margens para afirmarmos que há livros de cariz regionalista em nossa literatura até o final do século XX. Nas escolas, esse estudo do regionalismo se encontra fundamentado não apenas na produção literária, mas na divisão geográfica do país, com raízes no romantismo de José de Alencar, e no realismo de Domingos Olímpio (obscuro autor do clássico Luzia-Homem).

A ênfase do regionalismo se encontra em um Nordeste caquético, que decaiu desde que o centro político e cultural do país foi deslocado para o Sul. A pobreza, a fome, a relação do sertanejo pobre com os grandes fazendeiros, as adversidades de um meio ambiente estéril (o sertão das secas) e o descaso dos políticos com essa situação, passam a ser abordados em um tom crítico sem precedentes em nossa Literatura. No miolo desses livros se encontrava a grande ambição nervosa dos românticos: revelar o “verdadeiro” Brasil e buscar uma identidade nacional, até então atrelada à literatura portuguesa, cuja “dependência” a Literatura Brasileira necessitava libertar-se.

A questão é que o próprio termo, “regionalismo”, é contraditório, e aponta mais para a novidade de uma região até então não retratada por nossos escritores, e menos para um movimento apoiado em manifestos de intenção. O fato é que todo escritor fala sobre sua aldeia, ainda que não fale dela, vide Nikos Kazantzakis e sua Ilha de Creta. É como escreve Ítalo Calvino, não por acaso, em seu livro As cidades invisíveis: “não existe linguagem sem engano”. E é tanto um engano supor que os ditos escritores regionalistas falavam apenas de seu lugar em seus livros, quanto afirmar que os chamados escritores não-regionalistas não tratavam das ruas que conheciam.

Basta um movimento para perceber que, por exemplo, os problemas sociais retratados pelo chamado regionalismo se mantêm, mas os autores que se debruçam sobre eles não se identificam mais com o rótulo, nem são etiquetados mais dessa forma pela crítica. É o caso de Maria Valéria Rezende com o seu belíssimo: Outros Cantos. Nesse romance, Rezende, através do lugarejo imaginário de “Olho d’Água”, convida o leitor para conhecer esse lugar do Brasil que pode ser vários lugares do Brasil, inclusive os lugarejos que a escritora conheceu in loco, durante suas andanças de educadora. Podemos chamar seu romance de regionalista? Não, uma vez que já aprendemos a lição de Kazantzakis: quem fala da sua aldeia fala, na verdade, do mundo. Todas as ilhas são Creta.

Sequer precisamos citar Graciliano Ramos, que do retrato fiel e realista de sua região conseguiu atingir o drama universal humano; basta afirmarmos que todo escritor parte de um chão firme que conhece, para alcançar aquilo que Heidegger chamou de os limites do mundo: os limites da própria linguagem. E em que momento esses limites podem ser compreendidos separadamente? Arrisco dizer que em nenhum.

Essa pergunta, aliás, fica mais clara quando feita em seu sentido contrário: a obra de Graciliano Ramos seria universal se não tratasse do sertão? Dom Quixote falaria a todos os homens até os dias de hoje se suas aventuras não se passassem na Espanha? Dostoievski atingiria o cerne do espírito humano, se não partisse da análise do homem comum, subserviente a atormentado, dos estamentos burocráticos da Rússia czarista? Quem é o estranho ao redor do castelo kafkiano senão o pequeno funcionário do império austro-húngaro?

O importante confronto travado pelo Nouveau Roman francês contra os padrões narrativos tradicionais (encabeçado pelo líder informal do movimento, Robbe-Grillet) decretou o fim de um tipo de narrativa considerado ultrapassado e buscou despir a linguagem de seus adornos, resultando em alguns exageros, como os enfadonhos romances sobre objetos, excessivamente descritivos, e em personagens quase sem extensão humana alguma. E enquanto escrevo isso penso na novela de Marguerite Duras, O Homem Sentado no Corredor. Para mim, é documento do cansaço, de uma tentativa de girar em um vazio sem substância. Volto a Heidegger: mundo e linguagem estão imbricados, a ponto de seus limites se confundirem. Qualquer tentativa de potencializar um em detrimento do outro resultará em mero formalismo.

Sendo redundante, reafirmo: se é do mundo que se parte, cada escritor parte do mundo que conhece, e o termo “regionalismo” foi utilizado até o instante em que esse “mundo” não era conhecido e necessitava, portanto, de um rótulo, de uma etiqueta para o estranhamento. Claro que, por questões de organização pedagógica, o termo ainda perdurará por bastante tempo entre as carteiras escolares, mas não deve fazer mais sentido fora delas. Não podemos afirmar que Ronaldo Correia de Brito do livro de contos Faca seja regionalista. Não somos mais inocentes a este ponto.

 

***

 

Tadeu Sarmento é autor de “Associação Robert Walser para sósias anônimos” (Cepe, 2015) e “E se Deus for um de nós?” (Confraria do Vento, 2016), entre outros. Em 2014, ganhou o II Prêmio Pernambuco de Literatura. Em 2016, o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura. Em 2017, conquistou o 13º Prêmio Barco a Vapor, com o livro “O Cometa é um Sol que não deu Certo”, que será publicado ainda este ano pela Edições SM.